Plano de Ação: Os desafios do coordenador pedagógico






Plano de Ação





■ Procurar ser uma pessoa criativa, organizada, ouvinte e aberta aos conhecimentos;

■ Dar continuidade aos trabalhos já iniciados na Unidade Escolar e elaborar novos projetos durante o ano letivo;

■ Executar o trabalho de coordenação sempre em conexão com a direção da escola;

■Participar da elaboração do PLANO, POLÍTICO, PEDAGÓGICO da escola, responsabilizar-se pela divulgação e execução do mesmo de forma participativa e cooperativa;

■ Promover um trabalho conjunto entre os educadores da escola, trocas de diferentes experiências e respeito à diversidade dos pontos de vista;

■ Participar efetivamente das reuniões oferecidas pela oficina pedagógica e repassar aos professores tudo o que for necessário em e em tempo hábil;

■ Organizar antecipadamente as reuniões de HTPC, que constituirá em prática eficiente; será um momento onde haverá grupos de estudos de temas que representem as necessidades ou dificuldades que o grupo apresentar. Os HTPC’s contemplarão também momentos de planejamento das atividades de sala de aula e confecção de materiais, levando em consideração os objetivos propostos no planejamento. Neste momento, é fundamental a troca de experiências através de relatos onde destacarão os pontos positivos e dificuldades de suas práticas;

■ Fazer com que todo trabalho repassado aos professores seja sempre direcionado para um modo coletivo nunca individualizado;

■- Proporcionar troca de materiais e atividades entre os professores dos mesmos estagios;

■ Investir na progressão continuada na própria escola;

■ Estabelecer vínculo e parceria com os alunos visando melhoras: tanto na sala de aula quanto fora dela;

■ Manter contato constante com as classes e alunos em dificuldade, transmitindo-lhes orientações para melhor estudarem determinadas disciplinas;

■ Cooperar na composição de turmas e horários, com critérios que favoreçam o ensino e a aprendizagem;

■ Acompanhar e avaliar o processo de ensino e de aprendizagem e contribuir positivamente para a busca de soluções para os problemas de aprendizagens identificados;

■Avaliar as práticas já planejadas, discutindo com os envolvidos e sugerindo inovações;

■Acompanhar o desempenho acadêmico dos alunos, através de registros, orientando os docentes para a criação de propostas diferenciadas e direcionadas aos que tiverem desempenho insuficiente;

■Estabelecer metas a serem atingidas no decorrer dos bimestres ou semestres;

■Promover um clima escolar favorável à aprendizagem e ao ensino, a partir do entrosamento entre os membros da comunidade escolar e da qualidade das relações;

■ Procurar, da melhor maneira possível, participar e ajudar no planejamento e execução de festividades que vierem a acontecer na escola;

■Procurar poder dar atendimento individual conforme necessidade, onde possamos conversar as questões pertinentes ao desempenho escolar do aluno. Não é o papel do coordenador não seja um “vigiado” do trabalho do professor, mas sim, auxiliar, companheiro e oferecer subsídios para sua prática docente. Para tanto, se faz necessárias visitas às salas de aulas para verificar as necessidades de cada educador;

 




Concepção de ensino e de aprendizagem:

 

Segundo Documento original - SMEC/ASTEC, 2005, a literatura tem mostrado as alternativas das concepções de ensino e de aprendizagem que influenciam as decisões que os gestores educacionais escolhem para desenvolver as suas práticas docentes.

Assim o PAC Caritas Santa Terezinha – Unidade I, fundamentou sua prática de seus professores em princípios construtivistas, pois entende que o indivíduo aprende e constrói conhecimentos, competências e habilidades, a partir da elaboração de suas próprias representações, interpretando criticamente os

fenômenos do mundo que o cerca e estabelecendo relações entre o que já sabe e o novo conhecimento construído.

Seguindo uma abordagem construtivista, onde a aprendizagem é um processo dinâmico no qual o aprendiz é ator, o conhecimento se constrói a partir das interações entre os alunos, os professores e um ambiente adequado. Com base nesses dizeres, podemos refletir os papéis vivenciados por elementos:

Escola: Um espaço de acolhimento ao aluno, valorizando a sua identidade sócio-cultural e seus conhecimentos e inserção social que busca a formação dos estudantes para o desenvolvimento de suas capacidades. Sendo um estímulo à auto-estima dos alunos, validando o esforço do educando para aprendizagem, desenvolvimento de atitudes e valores positivos que devem ser estimulados e compartilhados.

Professor orientador: A mediação da aprendizagem, devendo apresentar a capacidade de desenvolver o processo de ensino e de aprendizagem de forma estratégica, da gestão da aprendizagem significativa.

Aluno participante: A produção de conhecimentos, respeitando-se os seus ritmos de aprendizagem, estados emocionais, habilidades e necessidades.


Objetivos:

Dentro das inúmeras mudanças a escola, como instituição de ensino e de práticas pedagógicas, enfrenta muitos desafios que comprometem a sua ação frente às exigências que surgem. Assim, os profissionais, que nela trabalham, precisam estar conscientes de que os alunos devem ter uma formação cada vez mais ampla, promovendo o desenvolvimento das capacidades desses sujeitos.

Conforme Almeida(2003), na formação docente, “é muito importante prestar atenção no outro, em seus saberes, dificuldades”,sabendo reconhecer e conhecer essas necessidades propiciando subsídios necessários à atuação.Assim, a relação entre professor e coordenador, à medida que se estreita e ambos crescem em sentido prático e teórico(práxis), concebe a confiança, o respeito entre a equipe e faborece a constituição como pessoas.

Para tanto, torna-se necessária a presença de um coordenador pedagógico consciente de seu papel, da importância de sua formação continuada e da equipe docente, além de manter a parceria entre pais, alunos, professores e direção.

De acordo com o Regimento Escolar, Artigo nº.129/2006-Resolução CEE/TO, "a função de coordenação pedagógica é o suporte que gerencia, coordena e supervisiona todas as atividades relacionadas com o processo de ensino e aprendizagem, visando sempre à permanência do aluno com sucesso."

Partindo desse pressuposto, podem-se identificar os seguintes objetivos:

* Desenvolver funções formadora, articuladora e transformadora do papel os educadores no ambiente escolar.

* Criar ações que viabilizem a formação do grupo para qualificação continuada desses sujeitos.Consequentemente, conduzindo mudanças dentro da sala de aula e na dinâmica da escola, produzindo impacto bastante produtivo e atingindo as necessidades presentes.

*Desenvolver parceria escola X família, para estreitar esses laços e mantê-los em prol da formação efetiva dos educandos à medida que cada instância assuma seu papel social diante desse ato indispenásavel e intransponível.

*Favorecer a construção de um ambiente democrático e participativo, onde se incentive a produção do conhecimento por parte da comunidade escolar, promovendo mudanças atitudinais, procedimentais e conceituais nos indivíduos.

*Assumir atendimentos diários a pais, funcionários, professores, além da responsabilidade de incentivo a promoção do projeto pedagógico, necessidade de manter a própria formação, independente da instituição e de cursos específicos.

*Promover significativas mudanças, trabalhar com formação e informação dos docentes.O espaço escolar é dinâmico e a reflexão é fundamental a superação de obstáculos, socialização de experiências e fortalecimento das relações interpessoais.

*Propor atividades visando à superação dos problemas diagnosticados e aperfeiçoando o trabalho pedagógico, procurando ter sempre uma visão da realidade escolar, detectado pelo grupo envolvido.

O principal desafio é desenvolver uma pedagogia centrada na criança, capaz de educar, sem discriminação, respeitando suas diferenças, que ofereça respostas adequadas as suas características e necessidades, solicitando apoio de instituições e especialistas quando for necessário.

Metas Previstas:

· Dar atenção individual e coletiva a todos envolvidos no processo ensino - Aprendizagem;

· Coordenar e subsidiar a elaboração dos diagnósticos da realidade escolar;

· Propiciar o trabalho em conjunto por área, por séries, para analisar, discutir, estudar e aperfeiçoar as questões pertinentes ao processo ensino- aprendizagem.

· Incentivar e prever condições para dar continuidade aos projetos.

· Auxiliar e incentivar no uso dos materiais pedagógicos e colocar todo o acervo a disposição para o trabalho pedagógico dos professores;

· Auxiliar e orientar os professores nos processos de recuperação (Individual - Paralela -Contínua) e nas reposições de aula, quando necessário.

Desenvolver o respeito do aluno ao Ambiente Escola.





Avaliação:

 

A avaliação realizada sustenta-se na necessidade de sistematizar todas as etapas do processo pedagógico, através de instrumentos, utilizados pela direção da escola para acompanhar, observar, intervir e avaliar o trabalho realizado. Para a realização da avaliação, é feita primeiramente com o acompanhamento e supervisão efetiva do diretor da escola. Há relatórios dos pontos positivos e negativos da ação do coordenador que é encaminhado no final do ano para a Secretaria da educação. As avaliações bimestrais das salas e das habilidades a serem trabalhadas com as crianças, dão maior visibilidade do andamento do trabalho do coordenador pedagógico. Em cada semestre é feito uma analise com os educadores para verificar este o trabalho do coordenador. Todo este processo decorre durante o ano letivo, por meio de um diálogo aberto com relatos que as famílias passam para o diretor, relatórios, atividades planejadas, reuniões com os educadores, mediante a observação da mudança no desenvolvimento de ensino e aprendizagem.

Os instrumentos avaliativos utilizados pela equipe educacional, se dão através do registro de observação diário, ficha de habilidades do aluno, relatório individual, registros de atividade, reflexão da ação no HTPC, avaliação, síntese e planejamento no diário de classe. A organização das ações educativas é realizada a partir desses instrumentos de forma que as tomadas de decisões sejam baseadas na intervenção, e no desenvolvimento de cada ação. Ou seja, o trabalho será organizado em função da leitura de cada grupo de crianças, verificando suas necessidades, seus interesses e seus níveis de desenvolvimento, criando um diagnostico da situação de aprendizagem de cada aluno.



Consirerações:


O coordenador pedagógico é peça fundamental no espaço escolar, pois busca integrar os envolvidos no processo ensino-aprendizagem mantendo as relações interpessoais de maneira saudável, valorizando a formação do professor e a sua, desenvolvendo habilidades para lidar com as diferenças com o objetivo de ajudar efetivamente na construção de uma educação de qualidade.


Assumir esse cargo é sinônimo de enfrentamentos e atendimentos diários a pais, funcionários, professores, além da responsabilidade de incentivo a promoção do projeto pedagógico, necessidade de manter a própria formação, independente da instituição e de cursos específicos.


Muitas vezes, a escola e o coordenador se questionam quanto à necessidade desse profissional e chegam à conclusão que esse sujeito pode promover significativas mudanças, pois trabalha com formação e informação dos sujeitos. O espaço escolar é dinâmico e a reflexão é fundamental a superação de obstáculos, socialização de experiências e fortalecimento das relações interpessoais.

 

Conforme Almeida(2003), na formação docente, “é muito importante prestar atenção no outro, em seus saberes, dificuldades”,sabendo reconhecer e conhecer essas necessidades propiciando subsídios necessários à atuação.Assim, a relação entre professor e coordenador, à medida que se estreita e ambos crescem em sentido prático e teórico(práxis), concebe a confiança, o respeito entre a equipe e faborece a constituição como pessoas.

Para tanto, torna-se necessária a presença de um coordenador pedagógico consciente de seu papel, da importância de sua formação continuada e da equipe docente, além de manter a parceria entre pais, alunos, professores e direção.


Bibliografia:

SALVADOR.coordenador pedagógico: Traçando caminhos para pratica educadora-2005;

ABREU,Luci C. de, BRUNO,Eliane B.G.O coordenador pedagógico e a questão do fracasso escolar.In.:ALMEIDA,Laurinda R.,PLACCO,Vera Mª N. de S.O Coordenador Pedagógico e questões da contemporaneidade.São Paulo:Edições Loyola,2006.

ALMEIDA,Laurinda R.O relacionamento interpessoal na coordenação pedagógica.In.:ALMEIDA,Laurinda R.,PLACCO,Vera Mª N. de S.Ocoordenador pedagógico e o espaço de mudança.São Paulo:Edições Loyola,2003.

Nóvoa. Antonio - As organizações escolares em análise. Lisboa, Publicações D. Quixote, 1992.

Demo, Pedro -A educação do futuro e o futuro da educação – 2005

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil.

Resolução n° 01, aprovado em 07/04/1999b

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário